Campanha “Arte Salva” arrecada 31 toneladas de alimentos com primeira semana de distribuição intensa


Campanha “Arte Salva”

arrecada 31 toneladas de alimentos com primeira semana de distribuição intensa.


Balanço parcial mostra que ação solidária já alcançou cerca de 40 mil pessoas ligadas aos setores da cultura e do turismo em Minas, além de povos e comunidades tradicionais

Cerca de 31 toneladas de alimentos arrecadados, com 55 entidades atendidas e quase 40 mil pessoas beneficiadas!


Esse é o balanço da primeira semana de entregas do #ArteSalva, iniciativa do Governo de Minas Gerais e do Sesc em Minas, em parceria com mais de 60 entidades da iniciativa privada e sociedade civil.


O objetivo dessa rede de solidariedade é auxiliar, durante o período de paralisação das atividades culturais e turísticas, os profissionais mais vulneráveis das cadeias produtivas desses dois setores.


Entre os produtos arrecadados até o momento estão colombas pascais da Bauducco, leite em pó da Itambé, molhos variados da Subway, guloseimas Skittles, pó de café, mel e apresuntado. Também já foram doados 700 livros pelo Arte Projetos Culturais para os beneficiados pelo Projeto.


Além disso, o programa Mesa Brasil Sesc, iniciativa do Sesc em Minas, está doando verduras e legumes ao #ARteSalva.


Entre os contemplados pelo projeto, estão: Associação Coletiva, Pai Jacob do Oriente (Pedreira Prado, Lopes e Comunidades de Terreiro), Meninas de Sinhá, Macunaíma, Itaka, Cecompcdteca, Asmac, 3 corações, Manejo Social, Fundação Oásis-Projeto Semar, Casa do Candomblé Ille Ase Omi Ogunsate, Associação ARebeldia Cultural, Associação Cultural Desportiva Raízes, Grupo Cultural do Guetto, Grupo Internacional Oficina de Capoeira, entre outras.


Nesse período de crise mundial, quando falta o básico para muitos profissionais, principalmente das áreas da cultura e turismo, que tiveram suas atividades paralisadas bem no início da pandemia, as doações do #ARtesalva chegam em boa hora, como relata o artista Carlos Balarini, do Grupo Cultural do Guetto.


“Como é importante essa ação nesse momento tão difícil. Como artista a gente se sente meio que largado e o governo ter essa iniciativa de ajudar a gente é muito bom...


Tantos integrantes no nosso grupo cultural que passam necessidade e essa doação é de muita valia para nós, porque é difícil se manter de arte no Brasil.


Receber esse tipo de ajuda nos faz sentir acolhidos e renova as nossas energias para continuar”, relatou Balarini, que passou essa semana no galpão Mesa Brasil Sesc para buscar as doações.


Mestre Ray, mestre de capoeira há mais de 40 anos em BH, do grupo internacional Oficina da Capoeira, também esteve no galpão Mesa Brasil Sesc e voltou com o veículo carregado de doações do #ARtesalva.


“É muito importante poder estender essa ajuda aos capoeiristas, às pessoas que vivem de cultura, vou repassar essas doações a quem mais necessita”, ressaltou Mestre Ray.


Vale ressaltar que as demandas de comunidades, grupos e instituições a serem contempladas com as doações do projeto #ARtesalva são recebidas e organizadas pelos conselhos estaduais, órgãos legitimados pela sociedade civil e que representam diversas áreas da cultura e turismo.


“A intenção é beneficiar o maior número de pessoas possível, por isso vamos intensificar diversas ações como lives, campanha com artistas, para que todos se mobilizem por essa causa.


Vamos ampliar as parcerias, fazer com que essas doações aumentem e cheguem a todo estado”, destaca Leônidas Oliveira, secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais.


O secretário reforça que essa primeira semana de distribuição é um passo simbólico de uma ação pensada coletivamente para ajudar o próximo.


“O #ARteSalva só está sendo possível graças à mobilização de vários setores, tanto do poder público quanto da iniciativa privada e sociedade civil.


É essa articulação, pensando no bem comum, que nos possibilita auxiliar aqueles que mais necessitam nesse momento”, destaca.

Rede Solidária

O projeto #ARteSalva tem a proposta de apoiar, com suporte emergencial neste momento de pandemia, profissionais e comunidades que se encontram em maior vulnerabilidade, como artistas de rua, técnicos, artesãos, guias de turismo, garçons, artistas, músicos, circenses, quilombolas, indígenas, ciganos e demais povos e comunidades tradicionais.


É um pacote de ações que, além da campanha de doações, compreende editais de fomento, cursos de capacitação e apoio a projeto de acolhimento de outros vulnerabilizados, como o de pessoas em situação de rua na Serraria Souza Pinto, espaço que é vinculado à administração da Secult.


A Serraria se transformou em ponto de referência oferecendo alimentação e higiene a esse grupo de pessoas, bastante suscetíveis à pandemia da Covid-19. É o projeto Canto da Rua emergencial, em parceria com a Pastoral de Rua e o Unibanco.

Como doar

Se você quiser participar desse movimento, as doações podem ser feitas de várias formas.

- Doações em espécie podem ser feitas on-line, por meio do Mesa Brasil Sesc. Para isso, basta apontar a câmera do celular para o QR Code no site da Secult ou acessar este link.

- Doações de roupas podem ser feitas diretamente na sede do Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas), em Belo Horizonte: Av. Cristóvão Colombo, 683, Funcionários.

- Doações de materiais de limpeza e higiene pessoal devem ser feitas no Sesc em Minas em Belo Horizonte: Av. do Contorno, 525, Centro.