Coronavírus. CDL/BH solicita abertura de pet shops e lojas de tecidos.

CDL/BH solicita abertura de pet shops e lojas de tecidos.


Entidade enviou ofício a prefeitura de BH solicitando que esses segmentos sejam considerados como essenciais


A Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) encaminhou hoje, ao prefeito Alexandre Kalil, ofício solicitando que os segmentos de pet shops e de tecidos sejam considerados como serviços essenciais e, dessa maneira, possam continuar abertos ao público.


Em relação aos pet shops, no documento a CDL/BH argumenta que estes estabelecimentos desempenham atividades de extrema importância no atendimento primário à prevenção, controle, cuidados com animais em cativeiro e erradicação de pragas dos vegetais e de doença dos animais.


Afinal, há produtos, principalmente medicamentos, que só se encontram no canal especializado (pet shops), sendo muitas vezes vitais para a sobrevivência de um animal que possui alguma patologia.


Ressalta-se também que rações especiais (terapêuticas) e vários medicamentos pets que tratam patologias cardíacas e renais, entre outras, são encontradas somente em pet shops e clínicas.


Estes produtos são fundamentais para a sobrevivência de animais nestas condições, conforme prescrição veterinária. Alguns medicamentos ainda dependem de retenção de receita especial, conforme determinação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), não podendo ser vendidos pelo delivery.


Por sua vez, as lojas de tecidos e armarinhos têm sido muito procuradas pela população para aquisição dos produtos para a confecção de máscaras de proteção respiratória, jalecos médicos, dentre outros, para serem utilizadas como barreira na propagação do coronavírus, seguindo as orientações divulgadas pelo Ministério da Saúde.


Vale ressaltar que diversas fábricas, hospitais e clínicas médicas são clientes das empresas do segmento.