top of page

Dia 14 de abril DIA MUNDIAL DO CAFÉ. Uma em cada cinco chícaras de café no mundo sai de Minas.


Nas cozinhas mais simples ou nos restaurantes mais sofisticados, a xícara tem o seu lugar de destaque.


O café, que desperta os brasileiros, também movimenta a economia, com a geração de emprego e renda. Sua importância é tamanha que em 14 de abril é celebrado o Dia Mundial do Café.


Para se ter ideia desta relevância, neste ano a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) prevê a colheita de 26,9 milhões de sacas.


Deste total, 48,4% devem ter origem em Minas Gerais. No ano passado, o Valor Bruto da Produção (VBP) apontou que a cafeicultura mineira movimentou R$ 21,7 bilhões, ou seja, representou cerca de 18% do que girado pelo VBP de toda a agropecuária do estado.


A analista de Agronegócios do Sistema FAEMG, Ana Carolina Gomes, destaca que não é de hoje que o café tem grande importância econômica: “desde sua chegada no Brasil, o grão foi o maior gerador de riquezas e o produto mais importante da história nacional, responsável pelo desenvolvimento e modernização do país, pela construção de portos e estradas e a dinamização das cidades”.


Ela lembra que o Brasil é o maior produtor e exportador mundial de café, responsável por cerca de 30% do mercado internacional.


E os brasileiros estão em segundo lugar no ranking de consumidores do cafezinho, perdendo apenas para os EUA.


Além de o café contribuir para a formação de capital no setor agrícola, absorve uma grande parcela de mão-de-obra, gerando muitos empregos diretos e indiretos, exercendo também um importante papel social.


Estima-se que cerca de 4 milhões de empregos são gerados em toda a cadeia produtiva mineira do grão.

DESTAQUE INTERNACIONAL


O Brasil é o maior exportador mundial de café. E os principais países importadores do grão colhido aqui são Estados Unidos, Alemanha, Itália, Bélgica e Japão, entre outros com menor participação.


Destaca-se que 68% do café exportado para o mundo é das lavouras mineiras.


“Para se ter uma ideia da representatividade, uma em cada cinco xícaras de café consumidas no mundo sai de Minas Gerais”, reforça Ana Carolina Gomes.


O grão é um dos principais geradores de renda no estado. É cultivado em mais de 600 dos 853 municípios mineiros, sendo a principal atividade econômica em 340 deles.


Segundo o último censo agropecuário (2017), em Minas Gerais são mais de 123 mil estabelecimentos agropecuários que produzem café, o que gera oportunidade para mineiros, que dependem, direta ou indiretamente, da cafeicultura para o sustento.


“Aí está uma importância que vai além da econômica, que é a social”, afirma Ana Carolina Gomes.

Comentarios


bottom of page