1/2

Entidades em BH unificam agendas Dos 100 anos da Semana de Arte Moderna e 200 anos da Independência



Para o presidente da ACMninas José Anchieta, celebrar essas datas é muito importante, principalmente, no momento atual pelo qual o Brasil passa, com crise econômica e pandemia da Covid-19.

ACMinas, Academia Mineira de Letras, Instituto Histórico Geográfico de Minas Gerais e Instituto de Advogados de Minas Gerais participam de ações conjuntas.

As quatro entidades centenárias sediadas em Belo Horizonte - Associação Comercial e Empresarial de Minas (ACMinas), Academia Mineira de Letras, Instituto de Advogados de Minas Gerais (IAMG) e o Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais (IHGMG) - se unem em uma agenda conjunta para as celebrações do centenário da Semana de Arte Moderna e do bicentenário da Independência da República.

As entidades já vêm realizando eventos e ações comemorativas a respeito das duas datas e, agora, organizaram uma agenda conjunta para marcar a relevância histórica das duas celebrações.


“De fevereiro a dezembro, todos os eventos das instituições integram uma agenda comum”, diz o presidente da ACMinas, José Anchieta da Silva.

Segundo Anchieta, celebrar essas datas é muito importante, principalmente, no momento atual pelo qual o Brasil passa, com crise econômica e pandemia da Covid-19.


“Vivemos o período de diálogo. Essa forma de celebração chama a atenção de todos para esse momento difícil. Acredito que a parceria irá multiplicar os eventos”, completa.

A Academia Mineira de Letras já começou os eventos celebrativos e um dos projetos que se destaca é o “22 entrevistas no Bicentenário da Independência”, que publicou no canal da entidade no Youtube.


Sendo que 10, das 22 conversas são com estudiosos da história brasileira, como Laurentino Gomes e Lucas Figueiredo, entre outros.


O presidente da Academia, Rogério Tavares, avalia que a agenda conjunta deve ser focada na produção de conhecimento.


“Um conteúdo que seja útil para todo mundo, relevante, bem feito, sério.


Fazer com que esse momento seja propício para gerar reflexão, crítica e raciocínio sofisticado a respeito da Independência”, analisa.

O presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais (IHGMG), coronel Paulo Duarte, ressalta também a importância de se celebrar as duas datas, que mudaram a história do Brasil.


“São datas relevantes tanto na formação artístico-cultural do povo brasileiro e quanto na consagração de sua independência política e econômica do julgo português”, comenta.

Informações para a imprensa

cintiapaes@hipertextoweb.com.br