1/2

Executivo da Usiminas prevê desafios e, também, oportunidades no segundo semestre deste ano de 2022


O vice-presidente Comercial da Usiminas, Miguel Homes, destacou a confiança da empresa no mercado interno brasileiro em um cenário de reequilíbrio entre oferta e demanda mundial


Otimismo:

Mesmo prevendo grandes desafios para a indústria brasileira neste segundo semestre, há otimismo e uma expectativa de novas oportunidades no cenário interno.


Em encontro sobre Inteligência Competitiva realizado recentemente, em São Paulo, pelo Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Produtos Siderúrgicos (Sindisider) em parceria com o Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço (Inda), o vice-presidente Comercial da Usiminas, Miguel Homes, destacou a confiança da empresa no mercado interno brasileiro em um cenário de reequilíbrio entre oferta e demanda mundial.


“Novas discussões sobre globalização e conceitos como reshoring ou nearshoring das diferentes cadeias produtivas, oferecem uma oportunidade única para o Brasil se reindustrializar e aumentar o consumo per capita de aço a níveis de países como México, Alemanha e a própria Coreia do Sul, o que significaria dobrar o consumo de aço per capita do país”, afirma.  


Na avaliação do executivo, o país ainda tem uma baixa relação habitante/veículo, um relevante déficit habitacional e uma grande necessidade de mecanização da agricultura, entre outros aspectos.  


“Vivemos um ano especial em 2021, com os melhores resultados do setor desde 2013.


Este ano, por sua vez, temos visto uma acomodação da demanda interna por aço, além de outras questões internas e externas que tornam o cenário mais desafiador.


Mesmo assim, na Usiminas seguimos otimistas e preparados para uma retomada mais consistente da economia brasileira”, acrescenta.    


Fonte:

Andréa Guimarães

Relações com a Mídia Usiminas - LVBA Comunicação