1/2

Fiemg recebeu o Embaixador de Israel. Meta: estreitar o business entre Minas e Israel.


O vice-presidente da FIEMG, Teodomiro Diniz deu um panorama da atuação da Federação no cumprimento de sua missão, que é fortalecer o setor produtivo, seja por meio da defesa de interesses da indústria ou por meio da oferta de uma educação de base de qualidade e da formação profissional voltada para as necessidades do mercado.


Para estreitar o relacionamento entre Israel e Minas Gerais, Daniel Zonshine, embaixador de Israel no Brasil, visitou, no dia 22/12, a sede da FIEMG.


O diplomata foi recebido por Fabiano Nogueira, presidente do Conselho de Política e Mercado Internacional da Federação mineira, que apresentou as oportunidades de negócios no estado.


“Existe um importante potencial de parcerias entre o Centro de Inovação e Tecnologia (CIT SENAI), o FIEMG Lab e os Institutos/ startups de Israel para a promoção de ambientes de desenvolvimento de tecnologias e de inovação”, explicou Nogueira no início do encontro, pontuando que Belo Horizonte vem investindo no desenvolvimento da Indústria 4.0.


Segundo o gestor, também existem possibilidades de ampliação do intercâmbio comercial na indústria de celulose, ferro, aço e suas obras, e de consumo como produtos da moda e alimentos processados.


“As economias israelense e mineira são complementares. A nossa indústria é focada no desenvolvimento tecnológico, pois temos poucos recursos naturais.


Já o Brasil é um grande exportador de carnes, óleos, soja, milho, sucos de frutas e café”, afirmou o embaixador Zonshine, reforçando as palavras de Nogueira.


Teodomiro Diniz, vice-presidente da FIEMG, deu um panorama da atuação da Federação no cumprimento de sua missão, que é fortalecer o setor produtivo, seja por meio da defesa de interesses da indústria ou por meio da oferta de uma educação de base de qualidade e da formação profissional voltada para as necessidades do mercado.


“É uma casa muito empenhada no desenvolvimento da indústria e do estado de Minas Gerais”, afirmou. A comitiva da embaixada de Israel no Brasil foi composta Silvio Musman, cônsul honorário de Israel em MG, Paulo Henrique Jelihovschi, presidente da Câmara Minas Gerais - Israel de Comércio e Indústria, Beny Cohen, presidente da Federação Israelita de Minas Gerais e Marcos Brafman, conselheiro da Federação Israelita MG. Já a equipe da FIEMG foi formada por Martha Lassance, chefe da Assessoria Estratégica e Internacional da FIEMG, Alexandre Brito, consultor de Negócios Internacionais, e Rebecca Macedo, gerente do Centro Internacional de Negócios (CIN).


Comércio Brasil x Israel - O comércio bilateral entre Brasil e Israel totalizou US$ 1,591 bilhão em 2021 de janeiro e novembro com déficit comercial para o Brasil de US$ 475 milhões.


O Brasil exportou US$ 558 milhões até novembro aumento de 44% sobre o mesmo período de 2020 e de 60% sobre 2019.


Dentre os produtos brasileiros mais exportados encontram-se carnes (US$ 161 milhões), óleos (US$ 133 milhões), soja (US$ 82,4 milhões) milho (US$ 21,2 milhões), sucos de frutas (US$ 16,2 milhões) e café (US$ 12,3 milhões). Estes produtos representam 76% do total exportado. Os produtos mais importados pelo Brasil foram os químicos US$ 902 milhões, que representaram 77% das importações, com destaque para adubos US$ 337,6 milhões, inseticidas US$ 168,3 milhões e plásticos US$ 99,8 milhões.