1/2

Fuad toma posse como prefeito de BH. Terá estilo diferente, fala em continuidade. E portas abertas..





Presidente Nely Aquino citou diálogo, apoio e respeito às prerrogativas da Casa

FacebookTwitterWhatsAppEmail No que depender de esforços e vontade política dos chefes dos Poderes Executivo e Legislativo da Capital, Belo Horizonte irá avançar na construção de soluções para os desafios que hoje atingem a cidade.


A mensagem clara foi passada na manhã desta terça-feira (29/3) durante cerimônia que deu posse a Fuad Noman como prefeito de BH.


A chegada do economista ao posto aconteceu após a renúncia do então prefeito Alexandre Kalil (PSD), ocorrida na última sexta-feira (25/3); Fuad ocupava desde 2017 a cadeira de vice-prefeito. Na solenidade, comandada pela presidente da Câmara Municipal, Nely Aquino (Pode), a parlamentar destacou a expectativa para a entrada de um novo momento amparado no diálogo, apoio e respeito mútuo.


Portas abertas:

Já como prefeito, Fuad afirmou que as portas de seu gabinete estarão sempre abertas para todos os vereadores e disse que enviará projetos ao Legislativo, contando sempre que eles serão aprimorados.


Compromisso com uma BH real

A posse de Fuad no cargo de prefeito foi prestigiada por chefes de diversas entidades públicas e privadas da cidade, dentre eles os presidentes da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), Flávio Roscoe; do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano (Sitram), Rubens Lessa Carvalho; do Sindicato da Indústria da Construção Civil/MG (Sinduscon), Renato Machado, além do presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, Gilson Soares, e do Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Mauri Torres.


Ao saudar os presentes, a presidente Nely Aquino agradeceu ainda as presenças da prefeita de Vespasiano e presidente da Associação dos Municípios da Região Metropolitana de BH (Grambel), Ilce Rocha (PSDB), e da delegada de Polícia Civil, Cláudia Proença Marra.


Nely não escondeu sua expectativa por ouvir o novo prefeito e lembrou que a Casa é a mais transparente, democrática e comprometida com a BH real, que vem sofrendo com reflexões da pandemia, o desemprego, a falta de infraestrutura e de oportunidades.


A presidente também citou esforços que o conjunto dos vereadores vem realizando para amenizar os efeitos das crises econômica e sanitária na vida dos belo-horizontinos, com aprovação de textos como o que criou o Auxílio Belo Horizonte, ao qual a própria Câmara injetou cerca de R$ 80 milhões, resultado do corte de custos feito pela Casa


E ainda a aprovação da lei que estabelece a regularização tributária e o estímulo à recuperação econômica no Município.


A presidente se colocou disponível para a conversa e citou recíproca.


“O senhor encontrará nesta Casa apoio, diálogo e o respeito necessário para que possa administrar BH; e o que esperamos do seu governo é reciprocidade nas nossas intenções.


Essa Casa tem prerrogativas e espera seguir aprovando o que é de interesse público”, afirmou, desejando sucesso à nova equipe de governo e deixando para trás qualquer desentendimento.


Estilo diferente e governo de continuidade

A expectativa da presidente foi corroborada pelo novo prefeito, que afirmou que as portas de seu gabinete na Prefeitura estarão sempre abertas aos vereadores.


Ao discursar como chefe do Executivo, Fuad se disse feliz e desafiado em ocupar o mais alto posto da Administração Municipal e ressaltou orgulho do que a Prefeitura fez nestes 63 meses, especialmente da área da saúde, onde a cidade foi reconhecida pelo modo como lidou com a pandemia da covid-19.


“Neste período, além do trabalho das equipes, 50 novas unidades de saúde foram implementadas; 33 já foram entregues, sete estão em construção, e dez serão iniciadas”, listou.


Fuad também citou desafios nas áreas da educação e da assistência social e lembrou investimentos no combate às áreas de risco e às inundações na cidade.


Segundo o novo prefeito, só para este último segmento, mais de R$ 430 milhões foram destinados à construção de bacias de contenção e outros R$ 125 milhões ainda devem ser empregados em outros dois dispositivos similares.


Ainda falando sobre a gestão de Alexandre Kalil, Fuad reconheceu uma parceria de amigos e uma partilha de ideais comuns, que priorizam os mais pobres e vulneráveis, e afirmou estar disposto a trabalhar ainda mais para garantir cidadania e dignidade a esta população.


O novo prefeito também falou da intenção de dar continuidade ao trabalho que já vinha sendo feito, mantendo os planos e as equipes, ainda que seu estilo e o do antecessor sejam diferentes.


Ao concluir sua fala, Fuad voltou a dizer dos objetivos comuns Ao saudar os presentes, a presidente Nely Aquino agradeceu ainda as presenças da prefeita de Vespasiano e presidente da Associação dos Municípios da Região Metropolitana de BH (Grambel), Ilce Rocha (PSDB), e da delegada de Polícia Civil, Cláudia Proença Marra.


Nely não escondeu sua expectativa por ouvir o novo prefeito e lembrou que a Casa é a mais transparente, democrática e comprometida com a BH real, que vem sofrendo com reflexões da pandemia, o desemprego, a falta de infraestrutura e de oportunidades.


A presidente também citou esforços que o conjunto dos vereadores vem realizando para amenizar os efeitos das crises econômica e sanitária na vida dos belo-horizontinos, com aprovação de textos como o que criou o Auxílio Belo Horizonte, ao qual a própria Câmara injetou cerca de R$ 80 milhões, resultado do corte de custos feito pela Casa.


E ainda a aprovação da lei que estabelece a regularização tributária e o estímulo à recuperação econômica no Município.


A presidente se colocou disponível para a conversa e citou recíproca. “O senhor encontrará nesta Casa apoio, diálogo e o respeito necessário para que possa administrar BH; e o que esperamos do seu governo é reciprocidade nas nossas intenções.


Essa Casa tem prerrogativas e espera seguir aprovando o que é de interesse público”, afirmou, desejando sucesso à nova equipe de governo e deixando para trás qualquer desentendimento.


Estilo diferente e governo de continuidade

A expectativa da presidente foi corroborada pelo novo prefeito, que afirmou que as portas de seu gabinete na Prefeitura estarão sempre abertas aos vereadores.


Ao discursar como chefe do Executivo, Fuad se disse feliz e desafiado em ocupar o mais alto posto da Administração Municipal e ressaltou orgulho do que a Prefeitura fez nestes 63 meses, especialmente da área da saúde, onde a cidade foi reconhecida pelo modo como lidou com a pandemia da covid-19.


“Neste período, além do trabalho das equipes, 50 novas unidades de saúde foram implementadas; 33 já foram entregues, sete estão em construção, e dez serão iniciadas”, listou.


Fuad também citou desafios nas áreas da educação e da assistência social e lembrou investimentos no combate às áreas de risco e às inundações na cidade.


Segundo o novo prefeito, só para este último segmento, mais de R$ 430 milhões foram destinados à construção de bacias de contenção e outros R$ 125 milhões ainda devem ser empregados em outros dois dispositivos similares


Ainda falando sobre a gestão de Alexandre Kalil, Fuad reconheceu uma parceria de amigos e uma partilha de ideais comuns, que priorizam os mais pobres e vulneráveis, e afirmou estar disposto a trabalhar ainda mais para garantir cidadania e dignidade a esta população.


O novo prefeito também falou da intenção de dar continuidade ao trabalho que já vinha sendo feito, mantendo os planos e as equipes, ainda que seu estilo e o do antecessor sejam diferentes.


Ao concluir sua fala, Fuad voltou a dizer dos objetivos comuns que unem os dois Poderes. “Conto com a Câmara Municipal como parceira para vencermos este desafio dos próximos dois anos e nove meses.


Nossos objetivos, que são servir ao povo de nossa terra e provê-los de serviço público de qualidade, são os mesmos; e assim encontraremos juntos as soluções.

Vereadores e prefeitos são eleitos pelo povo e devem trabalhar em harmonia”, afirmou.


Quem é Fuad Noman

Nascido em 1947, em Belo Horizonte, Fuad Noman é escritor, bacharel em Ciências Econômicas pelo Centro de Ensino Unificado de Brasília (Ceub) e pós-graduado em Programação Econômica e Execução Orçamentária. É casado, pai de dois filhos, avô de quatro netos e autor dos romances “Cobiça” e “O Amargo e o Doce”. Doutor Honoris Causa pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) ingressou no serviço público como funcionário de carreira do Banco Central do Brasil. Trabalhou no Tesouro Nacional, foi secretário-executivo da Casa Civil da Presidência da República durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, diretor do Banco do Brasil e presidente da BrasilPrev.


Foi, também, consultor do Fundo Monetário Internacional para o governo de Cabo Verde.

Então filiado ao PSDB, no governo de Minas Gerais, foi secretário de Estado de Fazenda, entre 2003 e 2007, no primeiro mandato de Aécio Neves; e secretário de Estado de Transporte e Obras Públicas, entre 2007 e 2010, durante o governo de Antônio Anastasia.


Também foi secretário extraordinário da Copa do Mundo e presidente da Gasmig.


Na Prefeitura de Belo Horizonte, foi nomeado unem os dois Poderes. “Conto com a Câmara Municipal como parceira para vencermos este desafio dos próximos dois anos e nove meses. Nossos objetivos, que são servir ao povo de nossa terra e provê-los de serviço público de qualidade, são os mesmos; e assim encontraremos juntos as soluções.


Vereadores e prefeitos são eleitos pelo povo e devem trabalhar em harmonia”, afirmou.


Fonte:

cmbh.gov.br