1/2

O + novo Cidadão Honorário de Gov. Valadares: o desembargador ROGÉRIO SANTIAGO de São João del Rei



Amigas e amigos,

Tenho poucos títulos de cidadania honorária.


Seguramente outorgados e recebidos com o coração.


Fiz um trabalho interessante em Governador Valadares, quando presidi o Tribunal Regional Eleitoral/MG.


Do cumprimento do dever, nasceu uma enorme empatia.

Meus novos conterrâneos são ousados.


Já conquistaram até os Estados Unidos! Very well.


Discursei com emoção à tribuna da Câmara Municipal.


Falei sobre o correr das águas do Rio Doce. Como também fluem as nossas vidas e a vida de um povo.


Citei Heráclito: não mergulhamos duas vezes no mesmo rio.

Tudo flui.

Passa a vida.

O poder se esvai.

A vaidade evapora.

A sujeira desce rio abaixo.


Benedito Valadares, era uma antiga raposa política: "estou rouco de tanto ouvir".

Governar é ouvir. Saber dar razão ao outro. Não se impor pelo medo, mas pelo respeito.


Não se governa e nem se julga com arrogância, na base do "eu prendo e arrebento".


O governador Valadares sabia das coisas.


Ficaria assustado com esse Brasil ensandecido do século 21...


Voarei daqui de volta a Belo Horizonte.

Nas nuvens, literal e figuradamente.


Rogério Santiago

Desembargador do TJMG.



Diz o desembargador Rogério Santiago:

Cheguei ao alto do Pico Ibituruna, depois de uma subida vertiginosa e sinuosa, de carro.


Lá dos quase 1200 metros de altura, vislumbrei Governador Valadares.


Deslumbrei com a beleza plana da cidade que me adota.

Céu de brigadeiro.


O Rio Doce descendo mansamente, no seu longo e tortuoso curso até o oceano.

Via Espírito Santo.

Amém.


Um brilhante espelho d'água reflete a luminosidade do sol escaldante.


Eu, que fui promotor de justiça em Caratinga, 100 km ao sul, 34 anos decorridos, vi a minha vida passar como as águas do Rio.

Rio Doce.

Doce Rio.


Lembrei Heráclito: o mesmo homem não se banha duas vezes no mesmo rio.

Muda o homem, muda o rio.


O mesmo país, eu disse em discurso solene, não mergulha duas vezes no mesmo rio.


Rio que ainda arrasta resíduos da lama trágica da barragem de Mariana.


A me sugerir que os mesmos cidadãos e cidadãs, em uma mesma pátria, não podem mergulhar mais de uma vez na mesma lama.


E porque não sou o filósofo grego, vou dormir.

Doce rio.

Doce vida.



Como eu, o desembargador Rogério Santiago, adora "bater asas." pelos céus e pelas nuvens filosofia.

Esta foto vale por mil plavras!!!