1/2

Posicionamento do presidente da CDL/BH, Marcelo de Souza e Silva, sobre o aumento da taxa de juros



Conforme anunciado hoje pelo Comitê de Política Monetária (Copom), tivemos o 11° aumento seguido da Selic.


Esta é a maior elevação da taxa, desde 2016, quando estava em 13,75% ao ano.


Alguns fatores estão contribuindo para o descontrole nos preços no Brasil e no mundo todo.


Problemas na cadeia de fornecimento devido à guerra entre Ucrânia e Rússia estão elevando o preço de insumos e commodities.


Além disso, o novo ciclo de aperto monetário dos Estados Unidos pressiona o câmbio brasileiro e, consequentemente, a inflação.


A elevação da taxa Selic é uma tentativa do Banco Central para conter a escalada da inflação e o aumento dos preços. 


Sabemos que um ambiente inflacionário é extremamente prejudicial para a atividade econômica.


No entanto, é preciso ter cuidado para que não seja criado um cenário de estagnação econômica no segundo semestre.


Os reflexos podem ser baixa produtividade, alta inflação, desemprego e diminuição da renda em circulação.


O impacto no comércio também pode ser negativo, pois o crédito junto aos bancos ficará mais caro para lojistas e empresários. Nessa situação, o comerciante precisa repassar a diferença para o consumidor.


Isso se torna um efeito dominó onde produtividade, investimentos, consumo e vendas são simultaneamente prejudicados.


A Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) espera que o governo utilize a política monetária de forma a conter o avanço dos preços, mas sem comprometer a economia real em longo prazo.


Para isso, é necessário estabelecer um ambiente econômico seguro, capaz de atrair investimentos diretos e com responsabilidade fiscal.


Fonte

Cristina Reis

Ascom CDL/BH